Morre, em Olinda, aos 92 anos, Edson Nery da Fonseca (G1 – globo.com)

Leia a seguir matéria publicada no G1 (globo,com) sobre a morte de Edson Nery da Fonseca.Imagem

Morre, em Olinda, aos 92 anos, Edson Nery da Fonseca

Pernambucano foi vítima de complicações causadas por infecções.
Ele fundou cursos de biblioteconomia na UFPE, em 1950, e UnB, em 1965.

 O bibliotecário, professor e escritor pernambucano Edson Nery da Fonseca faleceu neste domingo (22), em sua casa, em Olinda, vítima de complicações causadas por infecções urinária e pulmonar. O escritor estava acamado havia muito tempo e recebia atendimento médico domiciliar. O quadro se agravou nos últimos dias.

A morte aconteceu por volta das 7h30 e o velório foi realizado na casa do escritor, na Rua de São Bento, no Sítio Histórico de Olinda, se estendendo durante toda a madrugada. Na segunda-feira (23), parentes, amigos e admiradores compareceram à missa de corpo presente, realizada no Mosteiro de São Bento, também em Olinda, às 9h.  O sepultamento aconteceu no Cemitério dos Ingleses, no Recife, logo em seguida. A família do escritor está enterrada no local.

Lúcido até o fim
No velório, amigos e parentes prestaram as últimas homenagens ao bibliotecário. A pedogoga Lucinha Maria, sobrinha de Edson, cuidou do tio nos últimos três anos. Ela contou que desde o domingo o quadro de saúde vinha se agravando, mas Edson Nery pediu para não ser encaminhado para fazer hemodiálise ou ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Até os seus últimos dias, meu tio estava lúcido, conversava, apesar da idade. Domingo, ele deixou de urinar, ficou fraco, e um médico veio até a casa. Mas ele disse que queria ficar em casa, não queria ser entubado”, contou. Edson Nery deixou um documento com Lucinha dando orientações sobre seu funeral, entre elas a ausência de flores, vestir a túnica do Mosteiro de São Bento e ser enterrado no túmulo da sua avó, no Cemitério dos Ingleses, no Centro do Recife.

“Meu tio era uma pessoa de opinião, criando até inimizades por conta disso. Sempre admirei ele por isso, pela inteligência, pela memória. Era um homem muito bom. A gente já estava esperando pelo falecimento, ele estava muito fraco nos últimos dias. Mas vai deixar muita saudade”, comentou Lucinha.

Edson Nery publicou cerca de 20 livros, alguns com a ajuda do historiador e pesquisador Clênio Sierra de Alcântara, que o acompanhou nos últimos anos. Ele recebeu da editora, na quarta-feira, a versão final de “A cidade e a história”, livro escrito em homenagem a Edson Nery da Fonseca. A obra não chegou a ser compartilhada com o bibliotecário. “Era muito bom conversar com ele, que tinha uma memória, sabia contar as histórias do passado. Era um grande homem”, disse.

Após o velório, corpo será levado para o Mosteiro de São Bento, também em Olinda, para missa de corpo presente; enterro será no Cemitério dos Ingleses, no Recife (Foto: Vitor Tavares / G1)

Professor universitário e especialista em Gilberto Freyre
Nascido no Recife em 1921, Edson Nery da Fonseca foi bibliotecário no governo municipal, nos anos 1940, sendo convidado, em 1950, pelo reitor da então Universidade do Recife (futura Universidade Federal de Pernambuco – UFPE), professor Joaquim Amazonas, para fundar o curso de biblioteconomia.

Em 1965, inaugurou a mesma graduação na Universidade de Brasília (UnB), junto com Darcy Ribeiro. De 1980 a 1987, atuou como pesquisador na Fundação Joaquim Nabuco . Em 1991, se aposentou da UnB, da qual era professor emérito. Em 2011, recebeu da UFPE o título de doutor honoris causa.

Considerado o maior especialista na obra do sociólogo Gilberto Freyre, Edson Nery da Fonseca organizou e publicou diversas obras sobre ele. Uma delas foi “O Grande Sedutor – Escritos sobre Gilberto Freyre de 1945 até hoje”, lançada durante a edição 2011 da Fliporto.

O livro reúne 135 textos de Edson Nery da Fonseca sobre Gilberto Freyre escritos entre 1945 e 2010. O autor sempre recusou o rótulo de curador de Freyre, deixando essa função para a Fundação dirigida pela filha do sociólogo. Depois que Gilberto Freyre morreu, Nery publicou quatro livros dele, um deles atendendo ao pedido do próprio autor: “Palavras repatriadas” reúne textos, conferências, escritos, proferidas em inglês e vertidas por diferentes tradutores para o português.

Fonte: http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2014/06/morre-em-olinda-aos-92-anos-edson-nery-da-fonseca.html

UnB diz adeus a Edson Nery da Fonseca

Leia a seguir texto sobre o falecimento de Edson Nery da Fonseca, autor de “O Grande Sedutor” (Cassará, 2011), publicado na página eletrônica da Universidade de Brasília.

Imagem

UnB diz adeus a Edson Nery da Fonseca

Fundador da Biblioteca Central e do curso de Biblioteconomia da Universidade de Brasília foi vítima de complicações causadas por infecções

Ádlia Tavares – Da Secretaria de Comunicação da UnB

Morreu, na manhã de domingo (22), aos 92 anos, o bibliotecário, escritor, crítico literário, memorialista e professor emérito da Universidade de Brasília Edson Nery da Fonseca. Ele faleceu em decorrência de infecções pulmonar e urinária, na própria casa, em Olinda, onde recebia atendimento hospitalar. O corpo de Edson foi velado na segunda-feira (23), no Mosteiro de São Bento, também na cidade pernambucana. O sepultamento aconteceu em seguida, no Cemitério dos Ingleses, no Recife.

Edson Nery da Fonseca foi referência para a Biblioteconomia brasileira. O escritor pernambucano fundou os cursos de graduação em Biblioteconomia na Universidade Federal de Pernambuco – o primeiro da região do país -, e na Universidade de Brasília. Também foi responsável pela implantação da Biblioteca Central da UnB e colaborou para a criação da Faculdade de Ciência da Informação (FCI), que integra os cursos de Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia.

“O professor participou do debate sobre a criação da FCI e defendeu a proposta da unidade [antiga faculdade de Biblioteconomia] na reunião do Consuni, no dia 30 de abril de 2010. Ele foi aplaudido de pé e a proposta foi aprovada”, conta Elmira Luiza Melo Soares Simeão, atual coordenadora da FCI.

Elmira ressalta as fortes ligações do bibliotecário com a UnB. “Ele sempre conversava conosco por telefone, para saber como estava o curso e a universidade. Ele tinha muita curiosidade pela rotina da universidade”, conta. Em resposta ao interesse de Edson Nery, Elmira enviava, com frequência, exemplares de livros e periódicos publicados na universidade. “Ele gostava muito da revista Darcy”, lembra.

LITERATURA – Nery ainda era especialista em literatura brasileira, reconhecido no Brasil e no exterior como o maior conhecedor da obra de Gilberto Freyre, autor de Casa-Grande e Senzala. O crítico literário também foi estudioso da poesia moderna de Manuel Bandeira, e escreveu dezenas de livros e artigos sobre Biblioteconomia e Literatura.
 

Trajetória de Edson Nery da Fonseca

1930-1941: ensino educacional do curso primário e secundário.

1942: com 21 anos, Fonseca ingressa na Faculdade de Direito do Recife interrompendo o curso em 1943 ao ser convocado para o Exército onde presta serviços até 1945. Neste período também exerce o jornalismo literário no Jornal do Comercio e no Diário de Pernambuco até 1946.

1946: aos 25 anos é nomeado, pela Prefeitura Municipal do Recife, à Diretoria de Documentação e Cultura (DDC) tendo o estímulo necessário para a matrícula no curso Fundamental de Biblioteconomia da Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro, sendo diplomado no ano seguinte.

1948: retorna ao Recife onde, pela DDC, funda o 1° curso de Biblioteconomia do nordeste que dirige até 1951 quando é dispensado pela Universidade por ter escrito o artigo “Verdades incômodas”, publicado no Diário de Pernambuco, bem como dirigiu a reforma das Bibliotecas da Faculdade de Direito e da Escola de Engenharia.

1952-1953: reside em João Pessoa e sob os auspícios do Instituto Nacional do Livro ministra cursos intensivos de Biblioteconomia para bibliotecários do Estado da Paraíba, Pernambuco e Alagoas.

1954: transfere-se para o Rio de Janeiro onde organiza e dirige o Departamento de Bibliografia do Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação (IBBD); anteriormente a isso chefiou A Biblioteca Demonstrativa Castro Alves, no Rio de Janeiro, e bibliotecário do Departamento administrativo do serviço público – DASP.

1955: já em Brasília, ingressa por concurso público na carreira de bibliotecário da Câmara dos Deputados.

1956-1960: é eleito Presidente da Associação Brasileira de Bibliotecários, também organizando e dirigindo a Comissão de Documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

1962-1965: é convidado a integrar o corpo docente na nova Universidade de Brasília (UnB) como professor associado em regime de tempo parcial, para ministrar metodologia aos mestrandos na área de letras, Artes e Ciências Humanas, quando em 1965 torna-se professor titular, organizando e dirigindo os Cursos de Biblioteconomia.

1966: organiza e dirige na UnB a Faculdade de Biblioteconomia e Informação Científica.

1972: passa a dirigir a Faculdade de Estudos Sociais Aplicados da Universidade de Brasília, até 1978, e sua Biblioteca Central.

1976: contratado pelo UNESCO como consultor do projeto para criação de um sistema nacional de bibliotecas na Guiné-Bissau, e também consultor da Biblioteca do Congresso dos EUA.

1980-1987: requisitado para atuar na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj, Recife). Inicia as funções como 1° Superintendente do Instituto de Documentação. Em 82 é nomeado Coordenador de Assuntos Internacionais da Fundação, onde de 85 a 86 assume o cargo de Assessor da Presidência vindo a ser dispensado em 87. Exatamente em 1987 foi nomeado assessor do Presidente José Sarney.

1988: é designado pelo Presidente da República para compor a Comissão Especial responsável pela preservação dos documentos integrantes do acervo privado da Presidência onde trabalha até 1990.

1991: aos 70 anos, aposenta-se como professor da UnB.

1995: Foi condecorado com o título de Professor Emérito pela UnB.

Fonte: Faculdade de Ciência da Informação

 

Fonte: http://www.unb.br/noticias/unbagencia/unbagencia.php?id=8676

Falecimento do Professor Edson Nery da Fonseca

Edson nery da Fobseca Cassará

É com grande pesar que a Cassará Editora comunica o falecimento do professor Edson Nery da Fonseca ocorrido nesta manhã, do dia 22 de junho de 2014, em sua residência em Olinda, aos 92 anos.

Amanhã às 9:00 horas ocorrerá missa de corpo presente no Mosteiro de São Bento de Olinda, após a missa o féretro seguirá para o Cemitério dos Ingleses, no Recife, onde ocorrerá o sepultamento.

Fica aqui a mais sincera homenagem a esse grande homem das Letras, de quem a Cassará Editora teve a honra de publicar “O Grande Sedutor: escritos sobre Gilberto Freyre de 1945 até hoje” e, proximamente, “Tentativas de Interpretação”.

 

Próximo lançamento: Tentativas de Interpretação de Edson Nery da Fonseca

Imagem

Em breve a Cassará Editora lançará Tentativas de Interpretação, de Edson Nery da Fonseca, com organização de Clênio Sierra de Alcântara. Leia a seguir texto da orelha do livro:

Há autores que ultrapassam os limites de sua obra, esse tipo de homem de letras consegue fundir a vida e o que escreve em um todo criativo. Edson Nery da Fonseca, sem sombra de dúvida, aí se inclui. Seus livros versam sobre um mundo particular e que foi por ele construído ao longo da vida: a incondicional defesa das bibliotecas; o amor à poesia; o dedicado estudo da obra de Gilberto Freyre; o constante diálogo com as mais importantes figuras da vida intelectual brasileira do século XX. Em síntese, um insaciável interesse por tudo que é humano. Em Tentativas de Interpretação encontramos uma parte desse rico universo em que se mesclam inseparavelmente o homem e a obra, uma excelente oportunidade para, mais uma vez, encantar-se com a figura desse – fazendo uso do título de um dos seus próprios livros – Grande Sedutor.

Victor Villon (historiador e tradutor)